Sobre   Contato Usuário : Não conectado
Ultima Atualização : 26/02/2012 Data : 27 de Agosto de 2014  
Maze
 Caboclas
» Cachoeira
» Cayçara
» Iara
» Jurema
 Caboclos
» 7 Cachoeiras
» 7 Encruzilhadas
» 7 Pedreiras
» Araribóia
» Arruda
» Cachoeira
» Cobra Coral
» Pantera Negra
» Pena Branca
» Rompe-Mato
» Tupinambá
» Ubirajara
» Ventania
» Vira-Mundo
 Ciganas
» 7 Facadas
» da Estrada
» das Matas
» do Pantano
» Gira Mundo
» Salomé do Egito
» Sarita
» Sulamita
 Ciganos
» Damiani
» Pablo
» Ramires
» Rodrigo
 Guardiãs
» 7 Encruzilhadas
» 7 Saias
» 7 Véus
» A Bruxa de Évora
» da Calunga
» Dama da Noite
» das Almas
» do Cemitério
» do Lodo
» Maria Farrapo
» Maria Molambo
» Maria Padilha
» Maria Quitéria
» Menina
» Pantera Negra
» Rainha 7 Cruzeiros
» Rainha 7 Encruzilhadas
» Rainha Domitila
» Rainha Rainha da Praia
» Rosa Caveira
» Rosa da Noite
» Rosa Negra
» Sete Rosas
 Guardião
» 7 Cachoeiras
» 7 Capas
» 7 Catacumbas
» 7 Covas
» 7 Cruzeiros
» 7 Cruzes
» 7 Encruzilhadas
» 7 Lira
» 7 Pedras
» 7 Portas
» 7 Porteiras
» 7 Sombras
» 7 Trevas
» Arranca-Toco
» Calunga
» Caminaloa
» Capa Preta
» Caveira
» Cigano
» Cobra
» das Almas
» das Matas
» do Fogo
» do Lodo
» dos Cemitérios
» dos Rios
» dos Ventos
» Ganga
» Gira Mundo
» João Caveira
» Mangueira
» Marabá
» Marabô
» Maré
» Meia Noite
» Mirim
» Mor
» Morcego
» Pantera
» Pedra Negra
» Pimenta
» Pinga Fogo
» Quebra Galho
» Quirombô
» Rei 7 Encruzilhadas
» Rei 7 Lira
» Serpente
» Tatá Caveira
» Tiriri
» Tranca Ruas
» Tranca-Tudo
» Tronqueira
» Veludo
 Malandros
» Maria Navalha
» Zé Pilintra
 Pretos Velhos
» Benedito Aruanda
» João das Almas
» João Ramalho
» Joaquim de Angola
» Maria Conga
» Maria Redonda
» Rei Congo
» Vovó Catarina
 Boiadeiros
» João Boiadeiro
» Navizala
» Tobias

Guardião Tata Caveira

Próculo

Antes de ser uma entidade, Tatá Caveira viveu na terra física, assim como todos nós. Acreditamos que nasceu em 670 D.C., e viveu até dezembro de 698, no Egito, ou de acordo com a própria entidade, "Na minha terra sagrada, na beira do Grande Rio".

Seu nome era Próculo, de origem Romana, dado em homenagem ao chefe da Guarda Romana naquela época.

Próculo vivia em uma aldeia, fazendo parte de uma família bastante humilde. Durante toda sua vida, batalhou para crescer e acumular riquezas, principalmente na forma de cabras, camelos e terras. Naquela época, para ter uma mulher era necessário comprá-la do pai ou responsável, e esta era a motivação que levou Próculo a batalhar tanto pelo crescimento financeiro.

Próculo viveu de fato uma grande paixão por uma moça que fora criada junto com ele desde pequeno, como uma amiga. Porém, sua cautela o fez acumular muita riqueza, pois não queria correr o risco de ver seu desejo de união recusado pelo pai da moça.

O destino pregou uma peça amarga em Próculo, pois seu irmão de sangue, sabendo da intenção que Próculo tinha com relação à moça, foi peça chave de uma traição muito grave. Justamente quando Próculo conseguiu adquirir mais da metade da aldeia onde viviam, estando assim seguro que ninguém poderia oferecer maior quantia pela moça, foi apunhalado pelas costas pelo seu próprio irmão, que comprou-a horas antes. De fato, a moça foi comprada na noite anterior à manhã que Próculo intencionava concretizar seu pedido.

Ao saber do ocorrido, Próculo ficou extremamente magoado com seu irmão, porém o respeitou pelo fato ser sangue do seu sangue. Seu irmão, apesar de mais velho, era muito invejoso e não possuía nem metade da riqueza que Próculo havia acumulado.

A aldeia de Próculo era rica e próspera, e isto trazia muita inveja a aldeias vizinhas. Certo dia, uma aldeia próxima, muito maior em habitantes, porém com menos riquezas, por ser afastada do Rio Nilo, começou a ter sua atenção voltada para a aldeia de Próculo.

Uma guerra teve início. A aldeia de Próculo foi invadida repentinamente, e pegou todos os habitantes de surpresa. Estando em inferioridade numérica, foram todos mortos, restando somente 49 pessoas.

Estes 49 sobreviventes, revoltados, se uniram e partiram para a vingança, invadindo a aldeia inimiga, onde estavam mulheres e crianças. Muitas pessoas inocentes foram mortas neste ato de raiva e ódio. No entanto, devido à inferioridade numérica, logo todos foram cercados e capturados.

Próculo, assim como seus companheiros, foi queimado vivo. No entanto, a dor maior que Próculo sentiu "não foi a do fogo, mas a do coração", pela traição que sofreu do próprio irmão, que agora queimava ao seu lado.

Esta foi a origem dos 49 exus da linha de Caveira, constituída por todos os homens e mulheres que naquele dia desencarnaram.

Entre os exus da linha de Caveira, existem: Caveira, João Caveira, Caveirinha, Rosa Caveira, Dr. Caveira (7 Caveiras), Quebra-Osso, entre muitos outros. Por motivo de respeito, não será indicado aqui qual exu da linha de Caveira foi o irmão de Caveira enquanto vivo.

Como entidade, o Chefe-de-falange Caveira é muito incompreendido, e tem poucos cavalos. São raros os médiuns que o incorporam, pois tem fama de bravo e rabugento. No entanto, diversos médiuns incorporam exus de sua falange.

Caveira é brincalhão, ao mesmo tempo sério e austero. Quando fala algo, o faz com firmeza e nunca na dúvida. Tem temperamento inconstante, se apresentando ora alegre, ora nervoso, ora calmo, ora apressado, por isso é dado por muitos como louco.

No entanto, Caveira é extremamente leal e amigo, sendo até um pouco ciumento. Fidelidade é uma de suas características mais marcantes, por isso mesmo Caveira não perdoa traição e valoriza muito a amizade verdadeira. Considera a pior das traições a traição de um amigo.

Em muitas literaturas é criticado, e são as poucas as pessoas que têm a oportunidade de conhecer a fundo Caveira Chefe-de-falange. O cavalo demora a adquirir confiança e intimidade com este exu, pois é posto a prova o tempo todo.

No entanto, uma vez amigo de Caveira, tem-se um amigo para o resto da vida. Nesta e em outras evoluções.

Pontos Cantados

Exu pisa no toco, Exu pisa no galho,

Galho balança Exu não cai, ô ganga,

É Exu, Exu pisa no toco de um galho só

 

É Exu, Exu pisa no toco de um galho só

Marimbondo pequenino, bota fogo no paiol, ô ganga.

É Exu, Tatá Caveira no toco de um galho só. (bis)

 

Um pombo preto voou da mata,

Voou e pousou lá na pedreira. (bis)

Onde os Exus se reúnem,

Mas o reino é de Tatá Caveira. (bis)




Pontos Riscados

Exu Tata Caveira

Total de Comentários(4), clique aqui para adicionar um novo comentário
Responder
24/01/2014 12:53:04 por : Olimpio de Roseh
Tenho a honra de ser médium do Exu em referencia e já pude ter sua companhia no astral. Discordo das "figuras" horrendas com a qual distinguem seu Caveira. Quando pude estar com ele, estive em uma cidade de aparência antiga com construções grandiosas e enormes muros. Seu caveira, vestia longo manto branco e não largava o alfange. Se rosto não me foi permitido ver. Quando estou em transe mediunizado por seu Caveira, eu não falo a língua portuguesa o cambone que o assessora entende o por sinais ou segundo ela diretamente pelo pensamento é questão de afinidade entre ambos e o aparelho que sou eu. sou Umbandista e a Umbanda praticada não é traçada com o candomblé ou quiumbanda.
Responder
15/03/2012 02:21:00 por : Elenilson
olá! eu na verdade gostaria de fazer uma pergunta.eu não consigo frequentar igrejas ev por muito tempo, quando criança eu costumava frequentar terreros, era minha paixão, minha mãe era muito amiga de uma umbandista que incorporava o tata caveira, naquela época fui dado em crisma ao tata caveira...Será que tem alguma ligação? eu queria muito que tivesse, pois sou fascinado pelo mundo espiritual e gostaria de trabalhar isso. aguardo resposta.Obrigado
Responder
01/01/2012 11:54:54 por : Bianca
Lembrei dum ponto de seu Tatá caveira: "Soltaram um bode preto Meia noite na calunga Soltaram um bode preto Meia noite na calunga Ele correu os quatro cantos Foi parar lá na porteira bebeu marafo Com Tatá Caveira"
Visitas
3436812